A liturgia do 30º domingo Comum diz-nos, de forma clara e inquestionável, que o amor está no centro da experiência cristã. O que Deus pede a cada crente é que deixe o seu coração ser submergido pelo amor.

O Evangelho diz-nos que toda a revelação de Deus se resume no amor – amor a Deus e amor aos irmãos. Os dois mandamentos não podem separar-se: “amar a Deus” é cumprir a sua vontade e estabelecer com os irmãos relações de amor, de solidariedade e de partilha.

Neste sentido, propomos uma oração:

Senhor, fazei de mim

um instrumento da vossa Paz!

 

Onde houver ódio, que eu leve o Amor;

Onde houver ofensa, que eu leve o Perdão;

Onde houver discórdia, que eu leve a União;

Onde houver dúvida, que eu leve a Fé.

 

Onde houver erro, que eu leve a Verdade;

Onde houver desespero, que eu leve a Esperança;

Onde houver tristeza, que eu leve a Alegria;

Onde houver trevas, que eu leve a Luz.

 

Oh Mestre, fazei que eu procure mais

consolar que ser consolado;

compreender que ser compreendido;

amar que ser amado.

 

Pois é dando que se recebe;

É perdoando que se é perdoado;

E é morrendo

que se vive para a Vida eterna.