Hoje é tempo de parar
É tempo de descobrir em mim a condição de ser pó.
Pó… humilde, frágil …
Facilmente levado pelo vento.
Pó…
Hoje é tempo de sentir que posso ser tão só
Barro, promissor
Nas mãos do oleiro
E por isso ansiar.
É tempo de me deixar moldar pelo Amor e a Ele me entregar por inteiro.
É tempo de morrer nas cinzas para ressuscitar da cruz.
Hoje é tempo de parar,
É tempo de deixar para trás o que me prende ao chão
É tempo de renascer, de deixar brilhar a Tua luz
Que enche o meu coração.
É tempo de me deixar levar como pó ao sabor do vento
Confiar,
Esperar,
Amar.

Texto de Olinda Ribeiro