1Esta noite, o Grupo Adonai teve a sua oração do Advento, marcando a entrada num tempo de espera, espera pelo Salvador. No meio de muita introspecção, houve tempo para reflectir sobre as leituras dos quatro domingos do Advento, e terminar com a oração que o nosso Pai nos ensinou.

“Mais uma vez, é Natal. Ouvi dizer que o Natal perdeu o seu significado, que deu lugar ao consumismo, ao Pai Natal sem sentido, às prendas. Ouvi dizer que no Natal as casas se enchem de enfeites e mesas fartas, que as pessoas correm azafamadas para as compras de última hora. Onde está o Natal irmão? Advento é tempo de espera, mas pelo que esperas tu?

É Natal e é Deus que te bate à porta, que te acorda, que te abre os olhos.

É Natal em todos os cantos do mundo. É Natal aqui e ali, em mim e em ti.

É Natal. E é tempo de Advento, tempo de esperança e de expectativa que não se faz só num dia, mas calmamente dia após dia. É tempo de espera pelo nosso Salvador que nasce pobre, despido, pequenino numa manjedoura. Que nasce em mim, em ti, no irmão.

É Natal. É tempo de ter a certeza que podemos ingressar num novo caminho, de felicidade e plenitude de vida.

É Natal nos menores gestos de amor, de bondade. No confratenizar, no apoiar, na vontade de sorrir, de amparar, de receber e repartir.

É Natal na capacidade de vencer, de perdoar, de perder e de novo tentar.

É Natal na vontade de recuperar aquilo que foi perdido. De reconstruir os tempos de harmonia e paz.

É Natal e foi numa noite escura e fria de Natal que uma estrela brilhou no céu e iluminou o coração de todos. A luz foi tão forte que dissolveu as trevas e trouxe esperança aos homens de boa vontade.

É Natal e Deus está aí à nossa espera.”